Em Portugal, o Movimento Guidista surge devido ao entusiasmo de antigas guias inglesas residentes em Portugal que, nos anos 20, juntam grupos de raparigas inglesas e portuguesas, no Porto e depois em Carcavelos e na Madeira, com as quais formam as primeiras Companhias. Estas Companhias estão associadas a colégios ingleses e dependem diretamente da Associação Mundial.

historia1

Só em 1931, ano em que Baden Powell e Olave, os fundadores do Movimento, visitam a Madeira, começam a ser dinamizadas as primeiras Companhias de Guias portuguesas, no continente e na Madeira.

Três anos mais tarde, em 1934, os Estatutos da AGP são aprovados pelo Governo, e elege-se a primeira Comissária Nacional, Fernanda D' Orey, e a Comissária Internacional, Miss Pope, Guia inglesa que muito ajudou na consolidação da nossa Associação. Este ano foi ainda marcado pela receção do segundo cruzeiro de Guias e Escuteiros Britânicos, cujo último destino era Lisboa. Nesse dia, cerca de 200 Guias caminharam juntas na cidade, sendo vistas pela primeira vez, pela população.

historia2

O espírito do Movimento estende-se por Portugal e pelas Províncias Ultramarinas. Em 1936, comemora-se pela primeira vez em Portugal, o Dia do Pensamento (22 de Fevereiro). Contudo, a situação da Associação altera-se em 1937 com o pedido de cessação das atividades feito pelo Governo, motivado pela criação da Mocidade Portuguesa. Agravada com os anos de agitação da Guerra Civil de Espanha e mais tarde com a II Guerra Mundial, o Movimento acaba por ser suspenso no continente e nos Açores. Apenas a Madeira se mantém em plena atividade, dinamizada pela "Chefe Carolina", que desenvolve diversas ações sociais na Ilha, entre elas, a criação da fundação "O Ninho", um lar de apoio a crianças necessitadas, onde as Guias prestavam serviço e para onde eram dirigidos os fundos conseguidos nas atividades por elas planeadas. Esta Fundação ainda se mantém ativa nos dias de hoje. Só em 1954, por iniciativa de um grupo de antigas Guias que consegue obter o apoio do Patriarcado de Lisboa e do Ministério da Educação, a Associação reinicia as atividades em Lisboa. O grupo elege como Presidente Maria do Carmo Pombeiro e como Comissária Nacional, Isabel de Estarreja, que dão um forte impulso à Associação iniciando um período de grande expansão pelo Continente e Províncias Ultramarinas.

historia3

Em 1960, a AGP recebe a Chefe Mundial das Guias, que passa por Portugal no âmbito de uma viagem que realizou pelos países onde o Guidismo se encontrava em desenvolvimento.

Em 1963, a AGP é aceite como Membro Aspirante da WAGGGS - World Association of Girl Guides and Girl Scouts – (Associação Mundial das Guias) na 18ª Conferência Mundial realizada na Dinamarca. Foram, no entanto, necessários 12 anos e uma visita da Associação Mundial a diversas Companhias de Guias do nosso País, para a AGP ser reconhecida como Membro Efetivo da WAGGGS, na 22ª Conferência Mundial, que teve lugar em Brighton, Inglaterra, em 1975.

historia4

A nova condição foi motivo de grande alegria para todas, porque se demonstrou que o Guidismo estava, de novo, bem implantado em Portugal. Na década de 70, já existiam Companhias de Guias em Viana do Castelo, Porto, Braga, Guarda, Viseu, Aveiro, Leiria, Lisboa, Almada, Beja, Portalegre, Batalha, Faro, Santarém, Castelo Branco, Açores e Madeira.

Em 1973, realiza-se o I Acampamento Nacional, na Quinta do Ripilau, em Vila Chã de Ourique, sob o tema "Na Aventura da Descoberta", que contou com a participação de cerca de 1000 Guias portuguesas, incluindo Guias moçambicanas e Guias angolanas, e com a presença de Guias inglesas e polacas.

historia5

Cinco anos depois, foi organizado o II Acampamento Nacional com o tema "Festa no Mundo", onde se celebrou a aceitação da AGP como Membro Efetivo da WAGGGS. No Bombarral encontravam-se patrulhas com nomes de cidades de todo o mundo e, como convidadas estrangeiras, estavam as Guias do México.

A Associação Guias de Portugal procurou sempre colaborar com outras organizações juvenis sendo em 1985, um dos membros fundadores do Conselho Nacional de Juventude. Nesse mesmo ano foi declarada Associação de Utilidade Pública.

Um ano mais tarde, em 1986, a AGP, em conjunto com as associações de escuteiros portuguesas, teve a honra de organizar a Conferência Europeia das Guias e Escuteiros que decorreu em Ofir, Esposende, e onde estiveram representadas associações de 24 países da Europa.

No ano em que se celebram os 500 anos dos Descobrimentos Marítimos Portugueses, 1988, realiza-se o III Acampamento Nacional, no Vale do Zebro (Barreiro), sob o tema “Vale a pena correr o risco”.

III-Nacional historia Agp


Em 1992, a Patrulha Poney, do Ramo Moinho, recebe o Prémio Olave, pelo excelente trabalho de serviço comunitário desenvolvido com os refugiados da guerra da Bósnia.

Criado para homenagear a memória da Chefe Mundial, este prémio anual procura manter vivo o espírito do “Serviço”.

Em 1994, a Associação, em colaboração com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, promove o Projeto “Pacotes da Paz”, recolhendo e enviando material de higiene pessoal e material escolar para as crianças vítimas da guerra em Angola e Moçambique.

Mais dois Acampamentos Nacionais se realizam: O IV decorre em 1994, no Cartaxo, com o tema “Junta-te às estrelas”; V, em 1997, em Sesimbra, com o tema “Os Oceanos”, denominou-se Nacional e Internacional, contando com a presença de Guias dos EUA, Irlanda Japão e Hong-Kong.

V-Nacional historia-AGP

Em 1999, as Guias envolvem-se na Missão SOS Kosovo, que consistiu na recolha e organização dos donativos da população - alimentos, roupas e cobertores, para ajudar o tão massacrado e necessitado povo do Kosovo.

Ainda neste ano, realizou-se o I Acampameto de Chefes e Subchefes de Patrulha dos Ramos Aventura e Caravela, em Belmonte. Este acampamento contou também com a presença de Guias de Moçambique e São Tomé e Príncipe.

Em 2001, por todo o trabalho desenvolvido pelo movimento Guidista e no âmbito das comemorações dos 70 anos da AGP, Sua Excelência o Presidente da República Dr. Jorge Sampaio, atribuiu à Associação, a Condecoração de Membro Honorário da Ordem de Mérito.

As Guias, reúnem-se novamente em 2002, no VI Acampamento Nacional, em Viana do Castelo, para viver o tema “Guidismo É... Crescer, Ser Capaz, Arriscar e Aceitar Desafios”.

VI-Nacional Historia-AGP

Em 2005, a AGP lança um projeto ambiental pioneiro em Portugal, a Ação Saca Rolhas, que consiste na recolha de rolhas, recuperando-as para uma nova utilização. Este projeto mantém-se, tendo já contribuindo para muitas instituições de cariz social.

No ano comemorativo dos 75 anos do Guidismo em Portugal, 2006, realiza-se o VII Acampamento realizou-se, em 2006, em Alcochete sob o tema "Cidadãs do Mundo".

Entre Novembro de 2009 e Abril de 2010, a AGP associa-se à Fundação Fé e Cooperação, participando numa iniciativa de apoio a Timor-Leste, Moçambique e Angola. A Associação angariou fundos suficientes para concretizar três projetos de desenvolvimento local, através da venda de bolachas feitas pelas Guias, no âmbito do Projeto Ter Mãos Grandes.

O VIII Acampamento Nacional aconteceu em 2012, em Soutelo (Braga), com o tema “100 anos a mudar vidas”, assinalando o final das comemorações do Centenário do Guidismo no Mundo. Participaram Guias de Hong-Kong e da Nova Zelândia.

VIII-Nacional Historia-AGP

Em 2014, duas patrulhas do Ramo Moinho foram a Cabo Verde em missão, no âmbito da 3ª fase do projeto Ter Mãos Grandes.

 Em 2015, realizou-se o II Acampamento de Chefes e Subchefes de Patrulha dos Ramos Aventura e Caravela, em Santa Margarida (Santarém).

 

 

Partilhar esta notícia

Queres Ser Guia?

Formulário Queres Ser Guia

O Que Está A Acontecer
WAGGGS

wagggs

Av. Miguel Bombarda Nº 128, R/C Esq. 1050-167 Lisboa   |   Tel.: 217 938 227   |   Fax: 217 938 228   | 
Direitos de autor © 2017 Associação Guias de Portugal. Todos os direitos reservados.